domingo, 12 de maio de 2013

Mães na Bíblia que fizeram história

Sem dúvida alguma ser mãe é um privilégio muito grandioso e lindo que o nosso Deus nos proporcionou. Posso dizer que é uma missão onde existe muitos espinhos, barreiras, dificuldades e muitas pedras, mas também existe muitas vitórias e alegrias. E hoje quero compartilhar com vocês mães abençoadas, histórias tristes e também lindas de mães na Bíblia que passaram por momentos tristes e alegres, que alcançaram derrotas e vitórias, foram desobedientes e obedientes, enfim, histórias que com certeza irão identificar com a sua.

Na Bíblia está relatada diversas histórias lindíssimas e riquíssimas de mães que fizeram suas histórias. A primeira delas é de Eva, que é a primeira mãe no relato bíblico no livro de Gênesis, considerada mãe de todos os seres humanos (Gn 3.20b). Criada a imagem e semelhança do nosso Deus e destinada a viver num lar maravilhoso ou num lugar protegido onde não ia faltar nada para ela, nem água, nem beleza, nem alimento, nem companhia humana e muito menos a comunhão com Deus. Mas em vez disso, Eva preferiu dar ouvidos a voz enganadora de Satanás, sofrendo então uma grande decepção depois que foi expulsa do Éden juntamente com Adão (Gn 3.23).

Concebendo seus filhos Abel e Caim, a sua alegria em tê-los como filhos não durou muito tempo. Pois esta alegria foi logo transformada em dor quando Caim assassinou seu irmão Abel. A desgraça mais uma vez foi anunciada na vida desta mulher. Um filho está morto, o outro foi banido de sua presença, pois Deus o tornou maldito. Novamente Eva se decepciona e se entristece. Imagina a dor que Eva sentiu sendo expulsa do Éden, tendo seu filho assassinado pelo próprio irmão e por mais que ela sentiria raiva deste filho assassino, provavelmente ela não queria ficar longe dele, porque os sentimentos de uma mãe são diferentes. Mas essa dor novamente foi superada, pois Deus se manifestou dando a ela outro filho chamado Sete, que foi ancestral do Messias, o nosso Salvador Jesus Cristo. O exemplo desta mãe no passado nos conclama que devemos ser e permanecer obedientes a Deus em todas as instâncias das nossas vidas.

Outra mãe que também deixou história foi Joquebede. Seu nome significa ´´Jeová é glória´´ ou ´´Jeová é grande´´. Ela era casada com seu sobrinho Anrão (Êx 6.20), moravam no Egito como escravos. Dessa união nasceram seus filhos: Arão, Moisés e Miriã (Êx 6.20; I Cr 6.3). Os israelitas estando escravizados no Egito se multiplicaram grandemente e o rei do Egito com medo dos israelitas se aliarem aos seus inimigos, resolveu então mandar matar todos os meninos hebreus recém-nascidos. Joquebede dando a luz a Moisés ficou com medo e escondeu o menino por três meses (Êx 2.2). Porém, ela viu que não dava mais para escondê-lo e sendo muito diligente e sábia, sabendo que a filha de Faraó se banhava no rio. Preparou um cesto de junco, betumou-o com piche e colocou o menino dentro deste cesto. Lançado rio abaixo, a mãe Joquebede pediu que Miriã vigiasse o cesto até chegar na altura onde a princesa estava se banhando (Êx 2.3-5).

Tudo deu certo e ela ainda pôde amamentar o menino até uma certa idade. Joquebede é um exemplo de mãe criativa, determinada, confiante em Deus, sábia e perseverante. Ela sabia no fundo do seu coração que Deus não iria permitir a morte do menino. Desta forma, Ele providenciou tudo e abençoou-a grandemente como resposta de sua perseverança, temor e obediência.

Outra história belíssima é de Ana, que todos conhecem. Seu nome significa ´´graça e compaixão´´. Ana era casada com Elcana, porém  não tinha filhos, porque era estéril. Era muito humilhada por Penina, outra mulher de Elcana. A Bíblia relata que Penina a provocava muito para a irritar (I Sm 1.6). Sabemos que a esterilidade era considerado uma desgraça no AT. A mulher estéril era ridicularizada, não era amada por seu marido e passava por um sofrimento pessoal, como que aconteceu com Ana. O sofrimento dela era tão grande que ela não comia, o seu semblante estava caído por causa da profunda tristeza que sentia. Mas a história de Ana muda quando ela chega na Casa do Senhor para orar como de costume. A Bíblia relata que Ana orou ao Senhor estando com amargura de alma e chorou abundantemente. Em sua oração fez um voto e Deus ouvindo-a lhe concedeu um filho, chamando-o de Samuel (I Sm 1.10,11,20). Depois que o menino desmamou, ela o levou para apresentar à Casa do Senhor e para viver todos os dias de tua vida ali (I Sm 1.24,26). Mesmo estando distante de Samuel, Ana como uma mãe zelosa, preparava-lhe túnica que era levado quando subia à Casa do Senhor de ano em ano para oferecer sacrifícios a Deus. Deus novamente abençoou Ana dando lhe mais três filhos e duas filhas (I Sm 2.21). É assim que acontece na vida daqueles que permanecem fiéis a Deus Todo Poderoso, o Deus do impossível.

Enfim, outra personagem bíblica que também fez história foi Maria. Maria era jovem quando estava desposada com José, quando se achou grávida pelo Espírito Santo (Mt 1.18). Quando Jesus nasceu e cresceu, a Bíblia não registra mas provavelmente ela foi uma excelente mãe, que soube educá-lo, orientá-lo e amá-lo. Maria foi uma moça jovem e virgem que Deus escolheu para ser a mãe do Messias. Ela passou por momentos alegres, por medos, por dúvidas, por angústias e tristezas. Imagina como você se sentiria vendo seu filho pregado numa cruz, por mais que Ele é Deus, era filho dela. E ela possuía sentimentos de mãe por Jesus. Ela conhecia perfeitamente a Jesus pois sabia que Ele era Salvador e Senhor de sua vida. Na passagem de João no capítulo 2 que registra uma festa de casamento em que a Maria e Jesus foram convidados. Numa certa hora o vinho da festa acaba, quem foi que levou o problema até Jesus? Maria. Ela não possuía poder algum para realizar milagres, ela levou este problema aos cuidados do Mestre. Porque ela sabia perfeitamente quem era Jesus.

E você, sabe quem é Jesus? Você já teve a oportunidade de conhecê-lo como o Deus do impossível em sua vida? Quais são os problemas que você tem atravessado nesta vida? Leve até Ele todos os seus problemas. Porque assim como Ele mudou a história dessas mães, com certeza Ele mudará sua história também. Não importa a situação difícil mãe que você está atravessando nesta hora. É filho que está nas drogas, ou que se encontra preso, ou vivendo na prostituição, ou está muito rebelde, ou já faz dias que o filho saiu de casa e você não tem notícia dele ou dela, enfim, não importa a situação, creia somente neste Deus Todo Poderoso. Creia neste Deus que faz da mulher estéril que viva em família, que ergue do pó o desanimado e do monturo o necessitado (Sl 133.7,9). Siga os exemplos maravilhosos destas mães que fizeram histórias, confiando e obedecendo somente a Deus.

Desejo para todas as mães, não só neste dia, mas também para todos os dias, muitas felicidades e bênçãos duplicadas e abundantes da parte de Deus. Que você mãe através das lutas e também das muitas vitórias possa fazer histórias, no nome de Jesus. Amém!!

 

6 comentários:

António Jesus Batalha disse...

Amiga e irmã. É para mim uma honra estar no seu blog,
poder ver e ler as belas palavras aqui contidas.
Seu blog é uma benção, fiquei maravilhado,
seu amor a Jesus nota-se nas palavras escritas,
continue a ser esta grande benção,
a deixar-se usar pelo grande Oleiro.
Deixo a paz de Jesus.
António.

Rose disse...

A paz querido!

Muito obrigada pelo carinho, Deus te abençoe sempre.

Mário César de Abreu disse...

Paz amada irmã Rose,

Bom é falar palavras edificantes e com base bíblica.

Sobre aquele ministério que a irmã me apresentou,estou ainda analisando. Embora, já tenha visto "coisas estranhas" ainda não tenho um discernimento completo.

Em Cristo,
Mário

Rose disse...

A paz do Senhor amado!

Fico feliz com suas sábias palavras. Deus abençoe o irmão sempre. Abraços!!

Anônimo disse...

Somente uma correção, Ana era amada por seu marido Elcana, já que em 1 Samuel 5 o texto deixa claramente que a porção que Elcana separava do sacrifício anual que fazia era em dobro para Ana, visto que a amava mesmo sendo estéril.

Rose Vieira disse...

A paz de Cristo Anonimo.

Correto! Em 1Sm 1.5 afirma exatamente isso. Só que eu não achei necessário frisar essa questão, pois o assunto do texto trata sobre mães e não de reciprocidade no casamento, levei o exemplo dela (esterilidade)para o contexto geral do que realmente acontecia com as mulheres estéreis naquela época do AT. Deus abençoe!!